Por que o preço dos carros continua subindo no Brasil?

Por que o preço dos carros continua subindo no Brasil?

O AutoPapo noticiou, em abril, que o preço dos carros novos no Brasil registraram alta de 2%, enquanto os seminovos ficaram 4% mais caros e os usados tiveram acréscimo médio de 5%. As informações, disponibilizadas pelo Monitor de Variação de Preços da KBB Brasil, ainda indicavam tendência de alta. Entenda por que os valores estão subindo.

Paralisações

Desde o início do ano, pelo menos 10 montadoras de automóveis, caminhões e ônibus anunciaram paralização na produção de veículos em decorrência da crise sanitária ocasionada pelo novo coronavírus e da falta de componentes eletrônicos e matéria prima. Produzindo menos, o país vende menos – por mais.

De acordo com dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), o primeiro trimestre de 2021 teve desempenho em vendas de veículos zero-quilômetro reduzido, totalizando 527,9 mil unidades licenciadas – o que representa queda de 5,4% em relação aos mesmos meses do ano anterior.

A grande questão não é a comparação direta entre os períodos, mas quanto o mercado diminuiu com relação ao último trimestre de 2020: uma queda de 23% no volume de vendas. Fato que freou a recuperação do mercado que ocorria desde a metade do ano passado.

Dólar e impostos afetam o preço dos carros no Brasil

Luca Cafici, CEO da InstaCarro, analisa que, se colocarmos na balança o alto custo para produzir um carro no Brasil versus quanto se está vendendo com o avanço da pandemia, veremos outras montadoras, além de Ford e Audi, saindo do país. A tendência é mais forte ainda nos veículos de luxo, que sofrem diretamente com o aumento do custo de produção devido à alta do dólar.

Além da moeda estrangeira, outro fator tem agido sobre o preço dos carros em alguns estados: a alta de impostos. Em São Paulo, unidade federativa com a maior frota do país, o governo reajustou, pela segunda vez em 2021, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) incidente sobre os automóveis.

Desde 1º de abril, a alíquota para os carros zero quilômetro passou a ser 14,5%. A interferência no preço dos carros é significativa, já que a taxa estava em 13,3% e, no ano passado, era de 12%.

Crescimento do setor de seminovos e usados

Conforme as fabricantes vão deixando de produzir no Brasil, explica Luca Cafici, o mercado fica reduzido, e vão se criando nichos. “Se há alguns anos comprar um carro novo era difícil, porém um sonho possível nos modelos populares que ficavam na casa dos R$ 30 mil, atualmente a mesma categoria de veículos se aproxima dos R$ 50 mil”. E essa alta nos preços faz com que até quem antes só comprava veículos zero migre para os usados.

Também é da Fenabrave a informação de que em fevereiro deste ano o mercado de usados cresceu 15,1% quando comparado ao mesmo mês de 2020. “Não há grandes saídas: a escolha consciente para o consumidor, hoje, é partir para os seminovos e esperar o Brasil voltar a um cenário de normalidade”, opina Cafici.

Esse cenário deve se manter até a produção de veículos ser normalizada e a insegurança causada pelo coronavírus passar, bem como as contratações serem retomadas e a taxa de desemprego diminuir.

Diminuição da concorrência e preço dos carros

Outro fator a se colocar na “balança do preço dos carros novos” é a questão da concorrência. A falta de players no mercado entrega a quem tem o produto a possiblidade de ofertá-lo pelo preço que quer e não se preocupar tanto com a competitividade.

Na categoria dita como “de entrada”, vivemos décadas com uma disputa de quatro grandes representantes: Volkswagen, Ford, Chevrolet e Fiat. A Renault remava pelas beiradas e nos últimos 10 anos a Hyundai conquistou o mercado das grandes. A gama de veículos com preços semelhantes era benéfica ao consumidor, que podia escolher a melhor opção entre X fatores que lhe eram importantes.

Com a saída da Ford, o Ka deixou de ser produzido, recentemente a Volkswagen anunciou que o up! também deixará de ser vendido. Veja só: a concorrência diminuiu, a produção diminuiu e os preços subiram. E o prejudicado nessa equação é o consumidor.

Fonte: AutoPapo


Porque o Recorra Aqui pode te ajudar a recorrer da sua multa?

Ao contratar os serviços do Recorra Aqui, as suas chances aumentam, uma vez que conhecemos as brechas da lei e as falhas dos órgãos de trânsito, além disso você terá uma defesa 100% personalizada, onde garantiremos o seu amplo direito de defesa para que você continue dirigindo, contando com a melhor assessoria técnica e personalizada sem sair de casa, de forma segura e 100% online, além disso:

  • Todo o esforço é por nossa conta. Nós elaboramos o seu recurso por inteiro. Você não precisa se preocupar.
  • Todos os recursos administrativos cabíveis estão incluídos. Precisou de Defesa Prévia? Vai precisar recorrer à JARI ou ao CETRAN? Nosso objetivo é que você tenha as maiores chances de sucesso e sem ter que pagar a mais por isso.
  • Você não precisa ter nenhum conhecimento de lei ou técnico.
  • Se você tiver dúvidas, é só perguntar à nossa equipe. Você tem acesso a um técnico administrativo para tirar qualquer dúvida que tiver, inclusive pelo WhatsApp, sem custo adicional.
  • Nós conhecemos todos os erros dos órgãos de trânsito que podem ajudar a ganhar o seu  recurso. Sempre que identificamos um destes erros, redigimos um documento técnico para reverter o erro e ganhar o processo.

Finalmente uma maneira rápida, 100% dentro da Lei, feita por uma equipe experiente que vai te ajudar passo a passo a recorrer da sua multa e manter sua CNH.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato! Faremos uma CONSULTA GRATUITA do seu caso e ficaremos feliz em ajudá-lo. Nosso e-mail é [email protected] e nosso WhatsApp é (14) 99701-4520, ou (11) 95639-9557 podemos e queremos te ajudar!

Também estamos nos seguintes canais:

FacebookInstagramCanal no Youtube

Se você gostou, COMPARTILHE  para mais pessoas saibam como recorrer suas multas de trânsito.

Compartilhe

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.